Header AD

Queda de Eike Batista 'envergonha' Dilma Rousseff, diz 'FT'

Crise levanta dúvidas sobre direção política do país, segundo o jornal

Petroleira de Eike pediu recuperação judicial na semana passada.
Do G1, em São Paulo

Em imagem de arquivo, Eike Batista comemora com a presidente Dilma Rousseff o início da produção da OGX (Foto: Reuters)
Em imagem de arquivo, Eike Batista comemora com a presidente Dilma Rousseff o início da
produção da OGX (Foto: Reuters)
A queda do empresário Eike Batista – cuja petroleira, OGX, entrou na semana passada com pedido de recuperação judicial – envergonha a presidente Dilma Rousseff, segundo o jornal britânico "Financial Times".
“Deve haver momentos na carreira de todo político que os faz ter calafrios ao relembrá-los. Para a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, um deles deve ser o dia de abril do ano passado quando ajudou o falido empreendedor Eike Batista a comemorar o ‘primeiro óleo’ do que hoje são seus falidos campos na costa do Rio de Janeiro”, diz o jornal.

Eike ainda era, na ocasião, o homem mais rico do Brasil, com uma fortuna estimada em mais de US$ 30 bilhões, investidos em empresas de petróleo, mineração, energia e logística. “Era o auge do relacionamento entre Batista e o governo”, diz o jornal.

O “FT” aponta que a queda do empresário, “que em muitas maneiras era o empresário ‘de estimação’ do governo petista”, levanta dúvidas sobre a direção política futura.

“A ascensão de Eike Batista deu credibilidade às afirmações do PT de que suas políticas econômicas estatistas eram simultaneamente amigáveis ao mercado. A queda de Eike fará o partido mais ou menos intervencionista?”, questiona a publicação. “A resposta será crítica para a prosperidade futura do Brasil”.

A reportagem aponta ainda que o relativo silêncio do governo sobre o colapso de Eike é uma surpresa para alguns, que pensavam que o império “X” era “grande demais para quebrar”. “Mais provavelmente, Brasília percebeu cedo que o castelo de cartas de Batista era precário demais para ser salvo”, diz o texto.

Recuperação judicial

A petroleira OGX, controlada por Eike Batista, entrou na quarta-feira (30) com pedido de recuperação judicial. O pedido foi feito pelo advogado Sergio Bermudes.

A medida já vinha sendo aguardada pelo mercado, com a proximidade do fim do prazo para que a empresa agisse e evitasse um calote formal de sua dívida. O processo de recuperação judicial da petroleira é o maior da história de uma empresa latino-americana, segundo dados da Thomson Reuters.

A recuperação judicial é um instrumento da legislação brasileira que permite que empresas que perderam a capacidade para pagar suas dívidas possam continuar operando enquanto negociam com seus credores, com a mediação da Justiça, para tentar evitar a quebra definitiva.

A petroleira declarou dívida consolidada de R$ 11,2 bilhões no pedido de recuperação judicial e disse que não tem qualquer endividamento bancário nem créditos com garantias reais
O prazo para que os credores aprovem esse plano é de 180 dias (também contados a partir do despacho do juiz). Se o plano não for aprovado em assembleia, a empresa quebra, e o juiz decreta falência. Aprovado o plano, ele é implementado e precisa ser seguido à risca.

Leia também:

Sarney e Waldez Góes apoiaram negócios escusos de ex-megabilionário, Eike Batista

_
Queda de Eike Batista 'envergonha' Dilma Rousseff, diz 'FT' Queda de Eike Batista 'envergonha' Dilma Rousseff, diz 'FT' Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on segunda-feira, novembro 04, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD