Header AD

Privilégios questionados

Senadores “independentes” contestam “agenda positiva” de Renan Calheiros

Diário do Amapá
politica1-Randolfe-Capi-Clecio-DSC02737
O grupo de 13 senadores "independentes" deflagrou nessa terça-feira, 13, uma ofensiva contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e contra práticas adotadas pela instituição nos últimos meses.

Os congressistas afirmam que a "agenda positiva" adotada por Renan em resposta à onda de protestos populares é uma "farsa" e acusam o peemedebista e seus aliados de adotarem condutas "não republicanas" no Senado.

Os "independentes" decidiram reagir depois que o plenário do Senado rejeitou, em duas votações secretas, indicações de procuradores para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Conselho Nacional do Ministério Público. A rejeição foi orquestrada por senadores do PMDB, PT e PTB em retaliação ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que denunciou diversos membros da Casa.

"Essa rejeição é vingança, não representa o pensamento do Senado, são 13 senadores que acham isso indigno. O que podemos fazer é a advertência e a repulsa. Quem ia fazer a vendita abertamente? Quem faz secretamente é máfia", atacou o senador Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE).
O grupo também denuncia "ameaças" contra os senadores Randolfe Rodrigues (Psol-AP) e João Capiberibe (PSB-AP). Os dois dizem ter sido procurados por senadores aliados de Renan, nos últimos dias, que teriam ameaçado acelerar o processo a que respondem no Conselho de Ética da Casa em resposta à postura ofensiva que adotam no Senado.

"Estamos nos sentindo ameaçados. Chega de bastidor, de conchavo. Vamos falar as coisas abertamente aqui. O Conselho de Ética não arquivou procedimentos similares, que são sumariamente arquivados", disse Randolfe.

Ontem, o senador Randolfe fez uso da tribuna para declarar perseguição que estaria sofrendo dentro e fora do Congresso Nacional. Ele disse, entre outros pontos, que desde o início deste ano um grupo político tem trabalhado um falso dossiê para incriminá-lo junto com o senador Capiberibe.

Os senadores tomaram todas as providências para que o caso fosse então esclarecido, bem como apontam os responsáveis pela “denúncia caluniosa” e pediram punição. O dossiê foi levado à Comissão de Ética do Senado, que nem arquiva e nem aceita a denúncia, contrariando o regimento interno da Casa, permitindo que este documento seja usado como objeto de coação.

O caso foi arquivado pela Procuradoria Geral da República, que recomendou ao Ministério Público do Estado que denunciasse o Sr. Fran Júnior por falsidade documental, autor da denúncia. Fran Soares

Capiberibe e Randolfe respondem a processo no Conselho de Ética relacionado a acusações, arquivadas pela Procuradoria Geral da República, de que Capiberibe teria pago um "mensalão" de R$ 20 mil para deputados esta-duais em troca de apoio político na época em que foi governador do Amapá, em 1999 e 2000. Randolfe seria um dos beneficiados com o "mensalão" do Amapá.
_
Privilégios questionados Privilégios questionados Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 14, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD