Header AD

Nota - PSOL

Os conservadores não passarão

Em 2012 o PSOL conquistou a sua primeira prefeitura em uma capital. Nossa vitória representou o desalojamento do aparata estatal municipal de uma verdadeira quadrilha, investigada pelo Polícia Federal, pelos Ministérios Públicos Estadual e Federal. Além de devolver a prefeitura ao seu verdadeiro dono, o povo macapaense, o PSOL também enterrou as chances do ex-presidente José Sarney (PMDB/AP) continuar usando o Amapá como um curral eleitoral.

Mas, em que pese a derrota eleitoral, as forças conservadoras amapaenses não estão mortas. E agora desfecham uma sórdida campanha de difamação contra o senador Randolfe Rodrigues, líder de nosso partido no Senado e que em apenas dois anos de atuação se tornou uma das principais lideranças no combate a corrupção e contra os privilégios dos poderosos.

Utilizando grosseiras falsificações esta quadrilha requentou denúncias de 2000 e que foram arquivadas pelo MP do Amapá naquela oportunidade. Acusam nosso senador de ter recebido uma espécie de mensalinho do ex-governador e atual senador Capiberibe (PSB/AP) quando era deputado estadual. E ter assinado recibos desta propina. Algo absurdo e beirando o delírio.

O presidente do Senado, senhor Renan Calheiros (PMDB/AL), ao receber a denúncia em fevereiro deste ano, a encaminhou ao Procurador Geral da República, que não vendo fundamentos na mesma mandou arquivar e, mais do que isso, remeteu o caso para que os autores da denúncia fossem investigados por falsificação de documentos.

A quadrilha, que nunca apresentou os originais das falsificações, encomendou um laudo ao tristemente famoso legista Molina e reenviou (maio) ao Senado as mesmas denúncias. Desta feita a mesma foi parar nas mãos do presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto (PMDB/MA), fiel escudeiro da família Sarney no Maranhão. Pelo regimento do Senado ele tinha cinco dias para arquivar ou abrir processo contra Randolfe, mas até o momento, passados setenta e oito dias, nada fez, mantendo o caso aberto e patrocinando contínuo ataque por intermédio dos veículos de comunicação controlados pelo grupo político aliado a quadrilha e a Sarney no Amapá.

Os interesses por trás desta ação são claros e devem ser combatidos. Os conservadores amapaenses não engolem o crescimento do PSOL e a possibilidade de nunca mais ocuparem o aparato estatal local. No Senado, Sarney usa o Conselho de Ética para desgastar nosso senador e tentar recuperar o espaço perdido no Amapá. O senador Renan, parceiro de Sarney, e um dos principais alvos das jornadas de junho, faz sua parte no jogo sujo quando dá guarida a denúncias, consideradas espúrias pelo MPF, com o intuito claro de tentar enfraquecer seu principal adversário no combate contra a sua permanência à frente do Senado Federal.

Recentemente o líder do PTB, senador Gim Argelo (PTB/DF) tentou intimidar nosso senador quando da votação de sua autoria que estabelecia ficha limpa para a contratação de cargos comissionados pelo Senado.

Com este conjunto de posturas o Senado Federal afunda ainda mais a sua credibilidade perante o povo brasileiro, mostrando o quanto é midiática a agenda positiva apresentada após as manifestações. As práticas antipopulares continuam em vigor e os ataques aos lutadores do povo continuam sendo a regra.

O Partido se une às manifestações da sociedade civil amapaense não somente em defesa do mandato do senador Randolfe e exige o imediato arquivamento do gracioso dossiê. E mais, reforçamos o pedido de suspeição do presidente do Conselho de Ética, representante do que tem de mais podre na política brasileira.

Brasília, 15 de agosto de 2013.

Executiva Nacional do PSOL

Fonte: Do site do PSOL Nacional
_
Nota - PSOL Nota - PSOL Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 21, 2013 Rating: 5

Nenhum comentário




SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD