Header AD

Ação Penal 470

O DIA D DE "BATBARBOSA"

Via Brasil 247
:
Todos os holofotes estão voltados para a atitude que Joaquim Barbosa adotará a partir das 14h00, ao reabrir a sessão de julgamento dos recursos da Ação Penal 470; presidente do STF irá pedir desculpas por ter acusado o ministro Ricardo Lewandowski de fazer "chicana" e barrado seu voto? Ou vai acelerar na rota de colisão frente ao regimento da Corte? em Brasília, rumores indicam que Barbosa pode radicalizar e até renunciar ao cargo caso o julgamento não ocorra como ele quer; seria o lançamento teatral de sua candidatura a presidente da República
21 DE AGOSTO DE 2013 ÀS 04:30

247 – Da OAB às entidades de magistrados, de colunistas de jornal ao senador Eduardo Suplicy, passando, em primeiro lugar, pelo revisor da Ação Penal 470, Ricardo Lewandowski, todos os holofotes estarão voltados, a partir das 14h00 desta quarta-feira 20, sobre o presidente do STF, Joaquim Barbosa. É o dia D de BatBarbosa, como ele foi apelidado em razão da postura de justiceiro adotada durante o julgamento.

Haverá um pedido formal de desculpas a Lewandowski, acusado de fazer "chicana" durante sua declaração de voto sobre recurso impetrado pelo ex-deputado bispo Rodrigues, na quinta 15? Ou BatBarbosa vai acelerar em sua estratégia de apressar o julgamento, mesmo trombando com o regimento da Casa? As exigências de um pedido de desculpas de Barbosa a Lewandowski partem das mais diferentes áreas, com um forte movimento neste sentido nas redes sociais.

Em Brasília, no entanto, os rumores sobre como irá agir o presidente do STF apontam para a linha do confronto. A postura agressiva de Barbosa, desde o início do julgamento, teria sido estudada previamente por ele. O relator estaria testando os limites da cortesia e da paciência dos colegas exatamente para atingir o estresse máximo. Neste momento de rompimento, o presidente poderia reagir de maneira indignada e, num supremo gesto teatral, até mesmo renunciar ao seu mandato. Seria lançada, naquele gesto, a maior base para a sua candidatura a presidente da República, do topo do establishment para a ruptura com esse mesmo establishment. Um justiceiro solitário e corajoso, disposto a comprar todas as brigas para, supostamente, varrer o país da corrupção.

Esse momento pode jamais acontecer, mas Barbosa, nesta quarta, vai enfrentar uma dura oposição. Seu gesto de desclassificar a leitura do voto do colega Lewandowski é eticamente indefensável. Não está nos manuais na Corte nem nos tratados de etiqueta entre os magistrados. Barbosa foi autoritário e, para não permanecer nesta posição, só mesmo pedindo desculpas pelo que fez. Como ele não parece homem de exercer autocrítica, a previsão é que a sessão desta quarta seja a mais quente de um longo julgamento transcorrido todo ele em alta temperatura.

Abaixo, reportagem do Conjur sobre os embargos que serão avaliados pelos ministros:

STF pauta embargos de Valério e Delúbio para esta quarta

Por Rodrigo Haidar

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, informou aos ministros da Corte a ordem em que pretende analisar os Embargos de Declaração que contestam o acórdão da Ação Penal 470, o processo do mensalão. A partir desta quarta-feira (21/8), o tribunal retomará a análise do recurso do réu Bispo Rodrigues. Em seguida, decidirá sobre os embargos dos ex-dirigentes do Banco Rural Kátia Rabello, José Roberto Salgado e Vinícius Samarane. Depois, serão julgados os recursos do publicitário Marcos Valério e do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Até agora, foram julgados oito dos 26 embargos interpostos contra o acórdão do mensalão. Os ministros rejeitaram os oito, mas concederam Habeas Corpus de ofício ao ex-proprietário da corretora Natimar, Carlos Alberto Quaglia. A acusação de Quaglia foi desmembrada pelo STF e será julgada pela primeira instância. No entanto, como no julgamento do seu núcleo a denúncia por formação de quadrilha foi rejeitada, ele será julgado apenas por lavagem de dinheiro.

O HC de ofício foi concedido porque os Embargos de Declaração não permitem a reanálise dos argumentos ou a rediscussão da decisão. Sua utilidade é apontar obscuridades, omissões ou contradições no acórdão. Mas os ministros entenderam que ele tinha razão quanto ao desmembramento de seu caso: como o tribunal decidiu que a quadrilha não existiu, não haveria razões para que ele fosse julgado, sozinho, por um crime que só pode ser cometido em grupo.Assim, ele só poderá ser julgado por lavagem de dinheiro, e no primeiro grau.

A retomada do julgamento nesta quarta é cercada por uma forte expectativa tanto do ponto de vista jurídico quanto político. Juridicamente, aguarda-se a decisão sobre a situação de Carlos Alberto Rodrigues Pinto, o Bispo Rodrigues, ex-parlamentar do PL.

Condenado a seis anos e três meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ele reclama que sua pena foi calculada com base na Lei 10.763, de novembro de 2003, mas afirma que os crimes pelos quais foi condenado aconteceram em 2002, durante as negociações de apoio à campanha do ex-presidente Lula no segundo turno das eleições presidenciais. A lei de 2003 aumentou as penas para os crimes de corrupção ativa e passiva para de dois a 12 anos de prisão. A lei anterior falava em penas de um a oito anos de prisão.

A expectativa em relação ao resultado do julgamento dos embargos de Bispo Rodrigues é por causa da influência que o veredicto pode ter nos recursos de outros réus. José Dirceu é dos principais afetados, e tem argumentação parecida com a do ex-deputado do PL: suas penas foram calculadas de acordo com a lei de 2003, mas as acusações e a condenação se referem a crimes cometidos entre o fim de 2002 e o primeiro semestre de 2003 (clique aqui para ler reportagem sobre o assunto).

Do ponto de vista político, a expectativa é por conta do clima ruim que vive o tribunal desde que o ministro Joaquim Barbosa, presidente da corte e relator da AP 470, impediu o colega Ricardo Lewandowski de votar e o acusou de fazer chicana, encerrando a sessão de julgamento. Eles discutiam os embargos de Bispo Rodrigues.

Lewandowski exige que Barbosa se retrate, mas o presidente se recusa a pedir desculpas. E mesmo aconselhado por alguns ministros a fazê-lo. O decano do tribunal, ministro Celso de Mello, já visitou Barbosa em seu gabinete ao menos duas vezes depois do episódio. Ele tenta costurar um entendimento para que o julgamento transcorra dentro da normalidade.

Não se descarta a possibilidade de o decano pedir a palavra e fazer um breve discurso de pacificação no Plenário. Alguns ministros consideram que o julgamento deve ser retomado sem qualquer referência ao episódio, e com os ânimos já mais calmos por conta da repercussão negativa da discussão. O ministro Lewandowski havia considerado a possibilidade de levantar questão de ordem para garantir o direito de votar sem ser interrompido. Não deve levar a ideia a cabo, mas, se não houver pedido de desculpas nem qualquer manifestação dos colegas, deverá dizer algo sobre o episódio.
_
Ação Penal 470 Ação Penal 470 Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 21, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD