Header AD

Greve de viés político

Greve do Sinsepeap: Presos pela PF na “Mãos Limpas”, Waldez e Marília dão “apoio” à greve


Fica cada vez mais evidente a manipulação político-eleitoral da greve dos professores estaduais. Adversários políticos do atual governo sequer disfarçam mais o envolvimento e a participação no movimento que envolve a maior categoria de servidores públicos do Estado.

Do Portal MZ

Uma das "bases" do movimento grevista é a residência onde morou ex-governador Waldez Góes e a atual deputada estadual Marília Góes no bairro Buritizal, Zona Sul de Macapá.

No último sábado, 4, diversos militantes sindicais participaram de uma reunião no imóvel que pertence a Waldez, onde uma faixa fixada no muro da residência deixa clara a relação entre o PDT, partido de Waldez e Marília, e o Sinsepeap.

Segundo informações, o encontro foi para montar a estratégia de pressão para retirar o maior número possível de professores das escolas a partir de segunda-feira, 6, véspera do início de mais uma greve.

A relação política entre o PDT e o movimento grevista já tinha sido denunciada pelo senador João Capiberibe e pelo próprio governador Camilo. Para eles, em 2011, o partido teve forte influência na posição dos "grevistas" em recusarem 17% de reajuste salarial oferecido pelo governo e na manutenção de três meses de paralisação, gerando sérios prejuízos no ano letivo.

Incentivo à violência
No último dia 28, o presidente do Sinsepeap, Aroldo Rabelo, liderou um grupo de professores que, juntamente com alguns pedetistas, agrediram fisicamente o governador durante um evento público no prédio da Universidade do Estado do Amapá (UEAP). O mesmo grupo tentou agredir recentemente alguns deputados durante a votação do projeto que incorporou a regência ao salário dos professores.

"Mãos Limpas"
Waldez Góes foi governador do Amapá entre 2003 e 2010. Durante esse período, o Estado foi alvo de diversas operações da Polícia Federal relacionadas à corrupção no serviço público.

O próprio Waldez, juntamente com a esposa Marilia Góes e diversos aliados, foram presos em 2012 durante a operação "Mãos Limpas". O grupo político perdeu as eleições de 2010 e recentemente perdeu também as eleições para a Prefeitura de Macapá.

Waldez , Marília e Roberto Góes, que é primo do ex-governador e prefeito de Macapá até 2012, são os pré-candidatos do PDT ao governo do Estado em 2014. Roberto também foi levado preso pela Polícia Federal a Brasília, onde passou mais de 60 dias na Papuda.
_
Greve de viés político Greve de viés político Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, maio 07, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD