Header AD

Mobilização contra a PEC 37

Amapá participa da mobilização nacional contra a PEC 37

O Dia Nacional de Mobilização contra a Proposta de Emenda Constitucional – PEC 37, em tramitação no Congresso Nacional, movimentou a sociedade em todo o Brasil. Aqui no Estado, diversas entidades e lideranças dos movimentos sociais, participaram nesta sexta (12), na Praça da Bandeira, do Ato em Repúdio a essa iniciativa, que pretende limitar os poderes de investigação criminal, exclusivamente às polícias.

A programação no Amapá começou bem cedo. Por volta das 8 horas, membros e servidores do Ministério Público do Amapá (MP/AP) já estavam reunidos na Promotoria de Santana, de onde seguiram em carreata até a Câmara de Vereadores do município. O presidente da Casa, vereador Fábio José dos Santos (PMDB) recebeu das mãos do sub-procurador geral de justiça do MP/AP, Márcio Augusto Alves, o pedido formal de apoio à luta contra a PEC 37.

“Trazemos nossa preocupação com essa proposta que visa enfraquecer a atuação, não só do MP, mas de todos os que lutam contra a impunidade e a corrupção. Os senhores também terão o direito de investigar limitados, caso essa PEC seja aprovada, posto que não poderão avançar nos trabalhos desenvolvidos em uma CPI”, explicou o procurador.

Exemplificado a forma de trabalho adotada no MP/AP, o promotor de Justiça Adauto Barbosa, da Promotoria do Patrimônio Público e Cultural do Amapá, destacou que todos os procedimentos investigatórios que correm em sua promotoria são compartilhados com outras instituições. “Precisamos de todos os órgãos da segurança pública atuando em conjunto. A quem interessa essa PEC? Certamente que aos corruptos”, respondeu.

O presidente da Câmara assegurou que na próxima sessão, os vereadores colocarão em pauta uma Moção de Repúdio à proposta. “Estamos acompanhando a luta dos senhores e asseguramos que vamos nos posicionar favoráveis à sociedade. Não podemos enfraquecer os órgãos que lutam contra a corrupção e sabemos o quanto a atuação do MP/AP tem sido determinante nesse sentido”, disse o vereador Fábio José.

Macapá diz Não à PEC 37

Saindo de Santana, a caravana seguiu para Macapá, onde já havia grande movimentação de lideranças sindicais, religiosas, comunitárias e estudantis, que aderiram ao Movimento contra a Impunidade. “Estamos reunidos na Praça da Bandeira para dizer não à corrupção, bem como a qualquer tentativa de retirar das instituições que zelam pela sociedade o poder de lutar contra os dilapidadores do dinheiro público”, manifestou Edinaldo Batista do Movimento Mãos Limpas.

Para a procuradora-geral do MP/AP, Ivana Cei, o momento requer profunda reflexão sobre a importância da atuação de todas as instituições em defesa da sociedade. “Não queremos investigar sozinhos, mas não podemos aceitar que a investigação criminal limite-se apenas às polícias. Precisamos, podemos e devemos atuar em conjunto”, disse.

O presidente da Federação das Entidades Comunitárias do Amapá, Idelfonso Silva, relembrou que o Brasil enfrentou uma árdua luta pela redemocratização, que resultou na Constituição de 1988, onde instituições como o MP saíram fortalecidos. “Não podemos admitir isso. Hoje, do Oiapoque ao Chuí, nos levantamos contra essa imoralidade. Dizer sim à PEC é dizer sim à ditadura militar”, destacou.

O promotor Afonso Guimarães ressaltou que poucas instituições conseguem investigar os chamados “crimes do colarinho branco”. “Primeiro foi a mordaça e agora tentam novamente nos calar. Quem neste país tem independência para “peitar” esses bandidos de gravata?”, provocou. A procuradora Clara Banha relembrou os tempos difíceis, quando o MP tinha sua atuação extremamente limitada. “Não toleraremos esse retrocesso. Tenho certeza que a sociedade não apóia essa tentativa de nos enfraquecer”, desabafou.

Acompanhado do deputado estadual Edimilson Rodrigues (PSOL/PA), o prefeito de Macapá, Clécio Luís, que já havia declarado apoio ao MP, também participou do Ato e assinou nota de apoio ao Ministério Público que será encaminhada aos parlamentares da Bancada amapaense. Outra manifestação favorável veio da ex-senadora e vereadora Marinor Brito (PSOL/PA). “Não podemos negligenciar nossa luta. Estamos juntos contra essa PEC da imoralidade”, argumentou.

Mais uma instituição que aderiu ao movimento contra a PEC 37 foi a Defensoria Pública do Amapá. “Jamais deixaríamos de vir aqui trazer nosso apoio. Estamos abraçando com toda a força essa causa, pois sabemos que a sociedade será a maior perdedora com esta tentativa de enfraquecimento do MP”, disse o corregedor-geral da DEFENAP, Luciano Del Castillo.

Durante toda a manhã, os manifestantes distribuíram panfletos, camisetas, bandeiras e adesivos para alertar a comunidade e pedir apoio à causa. Houve ainda, em tom bem humorado, mas, sobretudo, de protesto, a distribuição de dezenas de pizzas. Para o presidente da Associação dos Membros do MP/AP, João Furlan, o Dia Nacional Contra a PEC 37 deve repercutir o desejo da sociedade que não suporta mais a sensação de impunidade.

“Estamos vigilantes e acompanhando a movimentação em todo o país. Estaremos em Brasília no próximo dia 24 para levarmos ao Congresso o grito de Não à PEC 37 do povo do Amapá”, finalizou.  Ao longo do dia, inúmeras entidades assinaram a Nota de Apoio ao Ministério Público que será encaminha para o Congresso Nacional. Clique aqui

Mais imagens do Ato Nacional contra a PEC 37 no Amapá  http://migre.me/e5N9d
_
Mobilização contra a PEC 37 Mobilização contra a PEC 37 Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, abril 13, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD