Header AD

Mais uma frustada tentativa de Golpe na Venezuela

A provocação dos golpistas e a resposta da Revolução

Alexandre Mandl -quarta-feira, Abril 17, 2013 - 14:45

Relato do 6º dia (16/04/2013) do camarada Alexandre Mandl, enviado da Campanha "Tirem as Mãos da Venezuela" a Caracas:
Tensão: golpistas matam inocentes e provocam guerra. Mas chavistas respondem que “se querem guerra, terão, e fazem chamado às ruas”.

Três aspectos chamaram a atenção hoje.

Primeiro: golpistas assassinos!

A cidade amanheceu traumatizada com a morte de 8 jovens e trabalhadores, além de 61 feridos. Uma noite de violência, fruto do irresponsável chamado de Capriles à direita fascista, mas apoiado pelos EUA e sob a conivência da OEA.

Durante todo o dia as entrevistas e as imagens foram das famílias chorando, revoltadas, dizendo que não permitirão um golpe fascista e que morram inocentes e que tentem intimidar e calar a força quem defende o processo revolucionário.

Alguns detalhes:

Eu vi a parte leste da cidade de Caracas em torno das 7h da manhã e o cenário de várias ruas era de guerra. Carros queimados, lixos nas ruas, vidros quebrados, pontos de ônibus destruídos, mostrando o desespero da direita, mas também o papel das Globos da vida, pois vi como foram parciais.

Com isso, durante o dia, houve concentração na Praça Bolívar em Caracas, e, depois, a juventude convocou concentração na UBV (Universidade Bolivariana de Venezuela).

Eu estive lá, vejam as fotos no Facebook, e fiz uma saudação em nome da juventude da Esquerda Marxista, da Campanha Manos Fuera de Venezuela e da Fábrica Ocupada Flaskô.

Depois, eu vi no fim da tarde tanques de guerra nas ruas, bem como caminhões com mísseis contra eventuais ataques aéreos, e havia informações de que a CIA estava organizando, junto com frotas marinhas, preparando condições para um golpe.

O ataque teve um corte de classe. Atacaram PSUV, VTV, CDI (centros de saúde nas favelas, atacando os médios cubanos), mercados populares, atingindo o povo mais pobre venezuelano. Trabalhadores e jovens sabem disso, e a resposta, disseram, também vai ser de classe. Uma consigna que ouvi na concentração da UBV era: “La revolución se hace con trabajo, estudios y fuzil”. Com bandeira da FMU (Frente da Milicia Universitaria), os jovens estudantes disseram que a “revolução es democrática y pacífica, pero armada”, “y que no se olviden, tomaremos las armas en defensa de la revolucion contra los golpistas”.

Recomendo a leitura do texto no link abaixo, que sintetiza o que houve hoje: http://tiremasmaosdavenezuela.blogspot.com.br/2013/04/venezuela-tentativa-de-golpe-de-estado.html

Ocorre que Maduro foi para a TV e disse que eles tinham acabado de “tombar” um golpe de Estado, que a CIA tinha tudo preparado e que apresentará as provas que estão terminando de juntar. Que é lamentável a atitude de Obama e que o silêncio da OEA mostra sua ineficiência.

Pressionado pela resposta dada pelos trabalhadores e jovens chavistas, por alguns setores de governos internacionais, e, dizem, que por alguns setores do empresariado venezuelano, além de rachas da direita, que vieram publicamente pedir a Capriles que reconheça o resultado e que evite uma guerra civil, Capriles foi à TV muito mais “light” do que estava e pediu paz, mas disse que as manifestações deles eram democráticas e sem violência. Fato esse que as fotos amplamente divulgadas mostram o contrário. Ele tinha dito até ontem “morte ao chavismo”, e agora está assustado. Sua família fugiu da Venezuela. O golpe estava montado.

Segundo ponto: desmascarado o golpe de fraude eleitoral

Capriles saiu pela manhã, apresentando um documento, mostrando na TV, uma ata de que havia votos diferentes, entre a lista de votantes, votos eletrônicos e votos impressos. Ele fez algo bizarro. Um erro infantil, induzindo, de forma baixa, uma fraude. Não foi um erro, mas uma tentativa de provocar uma mentira.

Imediatamente a presidente do Conselho Nacional Eleitoral apresentou que Capriles, de clara má fé, mostrava somente uma página da ata, de apenas uma mesa. E, claro, o número só bateria se ele mostrasse a segunda página. Caiu no ridículo.

A presidente da CNE pediu, mais uma vez, que Capriles aceite o resultado e que não fará a recontagem dos votos, porque já houve a auditoria que garante a constituição, e que não houve um sinal sequer de fraude.

Em seguida, o chefe do exército foi duro e recomendou que Capriles aceitasse o resultado, e que parasse de mobilizar contra o CNE.

Depois, o chefe de campanha de Maduro denuncia que o site oficial da Casa Branca estava organizando uma petição eletrônica de apoio ao pedido de recontagem dos votos.

Hoje, depois de tudo isso, a Espanha, que não tinha reconhecido o resultado, soltou uma nota oficial reconhecendo o resultado eleitoral.

Agora à noite, as contradições ficaram tão fortes que um “intelectual” de direita, veio à público para respaldar o CNE e dizer que é legítimo o resultado. Isso mostra como a direita está dividida e teve reais preocupações (com as questões econômicas) de consequências de um golpe.

A avaliação política que já tínhamos feito é que eles fariam isso, organizar uma resistência, com ações violentas, mas que isso duraria 4-5 dias, até eles mesmos cansarem, e que a principal luta viria mais adiante, dentro do chavismo e entre os reformistas e burocratas. Claro que a violência tida foi maior do que se previa, e, lamentamos profundamente as mortes que ocorreram.

Capriles tem que pagar essa conta. Foi irresponsável o que disse, convocando à violência dizendo “muerte al chavismo” e que para “saliren a las calles demonstrar su inquietud”, e ainda, de que “Descarge esa arechera em las calles”, algo como, “descarregem seu ódio nas ruas”.

A resposta, Capriles, será na rua. Mas, assim, com golpe, o povo está firme: No volverán!

O bom debate que alguns estão fazendo é mostrando que a via eleitoral tem muitos limites. E que “não podemos ficar refém dos votos”.

Terceiro ponto: ainda é cedo, mas há indícios à esquerda...

Maduro tem a cada dia um discurso mais à esquerda. E disse hoje que “entendí el recado de las urnas”. “Nosotros vimos el sabotaje en el sector elétrico y alimentício”. Para superar isso, precisaremos, ressaltou ele, “aprofundizar la revolución, y necesito del pueblo en la calle porque vamos nacionalizar todo el sector eletrico y vamos tener el control de la cadena productiva de alimentos, porque no podemos aceptar las sabotajes contra el pueblo venezuelano”.

Esse anúncio é um chamado à esquerda. E nas ruas ainda vi muita gente comentando isso, estando de acordo, e acrescentando que precisa não renovar a concessão da Globovisión, porque é fascista e que incentiva o ódio, reproduzindo o que a RCTV vez com o golpe de 2002. Exatamente agora, enquanto escrevo esse relato, a VTV exibe um documentário que mostra o papel da Globovisión.

Também houve estudantes que disseram que precisa nacionalizar os bancos, porque para combater a inflação e a especulação com o dólar, precisa expropriar os capitalistas.

Ou seja, pressionados pelo resultado eleitoral, e é certo que ainda é cedo dizer, mas há avanços, anunciando que vai buscar a estatização do setor elétrico e um maior controle da indústria alimentícia. Mas o alerta que avaliamos politicamente já está tendo bons resultados, juntando, inclusive, com a radicalização da luta de classes provocada por Capriles. Dizíamos que um refluxo eleitoral não quer dizer que é um refluxo da luta de classes, pode ser o contrário.

Vejamos esse ótimo artigo da Corrente Marxista Internacional - http://tiremasmaosdavenezuela.blogspot.com.br/2013/04/eleicoes-presidenciais-venezuelanas-uma.html

Vamos ver como as coisas seguem até sexta-feira, quando é a posse de Maduro diante da Assembleia e haverá uma grande concentração chavista, e, claro, lá estarei.

Últimas informações

Amanhã darei uma entrevista na VTV, e depois à tarde irei para Inveval, fábrica que está sob controle operário.

Na quinta, farei uma exposição sobre a história da Flaskô e nossa luta pela estatização sob controle operário, para trabalhadores do Ministério de Ciência e Tecnologia que está desenvolvendo um modelo produtivo com as empresas recuperadas na Venezuela.

Hoje estive com o vice-ministro de Ciência e Tecnologia, Guy Vernaez, contando a história do Movimento das Fábricas Ocupadas e nossa relação com o processo venezuelano. Alguns bons encaminhamentos foram dados.

Continuarei dando notícias...

Saudações,
Alexandre Mandl
_
Mais uma frustada tentativa de Golpe na Venezuela Mais uma frustada tentativa de Golpe na Venezuela Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, abril 18, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD