Header AD

Novos esquemas de corrupção na ALAP

MPAP revela novos esquemas de corrupção no Poder Legislativo Estadual

Na manhã desta quinta (21), a procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Ivana Cei, protocolou no Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) duas novas denúncias envolvendo os deputados Moisés Souza e Edinho Duarte (presidente e primeiro secretário afastados da Assembleia Legislativa do Amapá – ALAP, respectivamente), funcionários do Poder Legislativo e empresários pela prática dos crimes de dispensa ilegal e fraude em licitação, formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

As denúncias são desdobramentos das investigações realizadas a partir da vasta documentação e equipamentos eletrônicos apreendidos durante a chamada “Operação Eclésia”, realizada pela Polícia Civil e MP-AP, em maio de 2012. No primeiro caso, a cúpula que dirigia a ALAP é acusada de contratar, com dispensa ilegal de licitação, a Faculdade Atual, para a promoção de cursos de capacitação aos servidores da Casa. A instituição recebeu cerca de R$ 900 mil (novecentos mil reais) pelos cursos, os quais, de acordo com o promotor Afonso Guimarães, nunca foram realizados. “Ouvimos os professores citados no processo, que negaram a participação em qualquer evento do gênero realizado pela AL. Não há certificado, tampouco lista de presença”, explica.

Ainda de acordo com o promotor, a proprietária da Faculdade Atualsite, Katy Eliana Motinha, participou do esquema criminoso fornecendo informações e documentos falsos. “A empresária, na tentativa de justificar a oferta de serviços por menor preço, apresentou duas propostas de outras instituições de ensino superior para a prestação dos mesmos serviços, com valores superiores. Ocorre que os documentos foram falsificados, conforme depoimento dos próprios dirigentes das faculdades relacionadas”, esclarece. O ex-senador Papaléo Paes, diretor da Escola do Legislativo, à época, ouvido pelo MP-AP, disse desconhecer que tais cursos tenham sido realizados.

Na segunda denúncia, o MP-AP sustenta que o Poder Legislativo fez o pagamento de, aproximadamente, R$ 2 milhões em favor da empresa PREMIER Consultoria, contratada para a prestação de serviços de desenvolvimento de programas (softwares) de Sistema de Gestão Legislativa e Criação de Portal na Internet para o Legislativo.

“Apurou-se, entretanto, que a contratação da dita empresa não passou de simulação Site2mediante fraude, para possibilitar a apropriação e o desvio ilegal do dinheiro do orçamento da Casa de Leis, uma vez que, mesmo sendo realizado o pagamento, os serviços contratados sequer foram executados”, manifesta o promotor Afonso Guimarães ao longo da denúncia. Destaque-se ainda que, nos dois casos, as vultosas quantias de dinheiro pagas pela AL, por meio de cheques, foram imediatamente sacadas no caixa das agências bancárias.

As investigações do MP-AP resultaram, até o momento, em 14 (quatorze) denúncias ofertadas ao TJAP, que revelam desvios na ordem de R$16.245.414,89 (dezesseis milhões, duzentos e quarenta e cinco mil, quatrocentos e quatorze reais e oitenta e nove centavos) dos cofres públicos. As ações que visam ao ressarcimento ao erário também estão em andamento. “Estamos rastreando o patrimônio dessa quadrilha”, finaliza o promotor Afonso Guimarães.

Acusados no primeiro caso: Moisés Reátegui de Souza, Jorge Evaldo Edinho Duarte Pinheiro, Katy Eliana Ferreira Motinha, Hélio Vieira Motinha, Lindemberg Abel do Nascimento, Janiery Torres Everton, Edmundo Ribeiro Tork Filho e José Maria Miranda Cantuária, conhecido como “Zeca”.
Site1
Acusados no segundo caso: Moisés Reátegui de Souza, Jorge Evaldo Edinho Duarte Pinheiro, Edmundo Ribeiro Tork Filho, Jorge Emanoel Amanajás Cardoso (ex-deputado estadual. Foi presidente da AL e deu início ao processo fraudulento), José Maria Miranda Cantuária, conhecido como “Zeca”, Vitório Miranda Cantuária, José Arcângelo Campelo do Nascimento, Augusto Alberto Lopes Sidônio, Frank Willian Silva Costa e Solange de Oliveira Carvalho.

Crimes cometidos: Dispensa ilegal e fraude em licitação, formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.
(Ascom-MP/AP)
Novos esquemas de corrupção na ALAP Novos esquemas de corrupção na ALAP Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, março 21, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD