Header AD

Sobre as mortes no Porto de Santana

O papel das mineradoras no Amapá

Consegue-se perceber a dimensão do passivo que as empresas mineradoras deixam no Amapá, depois de sugarem o máximo nossos recursos naturais?

Pois é, além de deixarem um rastro de destruição ambiental, desemprego, pobreza, desigualdade social, etc, também podem deixar lastros letais para seus empregados: A morte. Aconteceu na última quinta-feira, com a morte de seis trabalhadores da mineradora Anglo American no Porto de Santana.

A empresa esquiva-se como pode para não assumir a responsabilidade sobre as mortes, fruto quiçá de um descaso, sobretudo por mais lucros a qualquer custo, visto que o Porto utilizado pela mineradora tem mais de 50 anos de existência. Isto faz-se vergar para uma obviedade, ou seja, nesse período de vida útil do Porto, certamente a estrutura pediu manutenção adequada que não foi levado em consideração pela empresa.

A causa e efeito recaem sobre uma consequência evidente e trágica: a morte de inocentes. Mas o mais desconfortante foi ouvir de um funcionário da Anglo diversos desconexos; que não foram refutados de imediato devido às circunstâncias do local da conversa.

Dizia tal funcionário que o governador deveria ter ajudado a empresa com a construção de um “porto seguro” para que a mineradora pudesse canalizar com segurança os recursos naturais do amapaense; (dinheiro público da educação e da combalida saúde para “salvar”uma empresa privada? isso não cabe em um Governo Socialista, cara pálida!). Além disso, discorria que a empresa passa por problemas financeiros devido às adversidades decorrentes da baixa demanda do ferro no mercado internacional. Isto, alheio ás informações de que a Anglo American exportou só em 2012 quase sete milhões de toneladas de ferro do Amapá escoados por aquele Porto; destruído, segundo a empresa, por uma onda gigante.

Verbalizou ainda que se a empresa falir, a culpa pelo desemprego de quase cinco mil funcionários (segundo dados do funcionário falastrão) recai sobre o Governo. A verborragia foi mais além quando insinuou, não diretamente, mas subtendido, que é um favor que a mineradora presta ao dar empregos a muitos pais de família no Amapá.

Ora, ora, favor? Como assim? Os trabalhadores dão o suor de seu trabalho em troca de um salário mísero, e isso é favor? Veja como a inversão de argumentos faz aqueles desavisados caírem numa falácia – eu diria que isso não seja FAVOR nem aqui, nem noutro lugar, isso sim se chama EX-PLO-RA-ÇÃO.

A empresa explora também os ricos subsolos amapaenses com mão de obra barata de muitos amapaenses, o mínimo que deve dar em contrapartida a esses trabalhadores é a segurança, pelos menos no trabalho.

Espera se que a perícia aponte precisamente as causas desse acidente e se for o caso, que a mineradora seja punida na forma da lei; além de indenizar as famílias das pessoas que sucumbiram ante uma irresponsabilidade, senão um descaso com a pessoa (humana).
_
Sobre as mortes no Porto de Santana Sobre as mortes no Porto de Santana Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, março 31, 2013 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD