Header AD

Capiberibe e Randolfe: acusações partem de "representantes do crime organizado no Amapá"

Capiberibe e Randolfe dizem que acusações contra eles partem do crime organizado


Da Redação da Agência Senado

Os senadores João Capiberibe (PSB) e Randolfe Rodrigues (PSOL), ambos do Amapá, contestaram nesta terça-feira (19) as acusações feitas contra eles por meio de um dossiê encaminhado ao Senado e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Tanto um quanto outro afirmaram que as denúncias partiram de "representantes do crime organizado no Amapá", e tiveram início durante a última campanha para a prefeitura de Macapá, capital do Estado.

De acordo com o dossiê, Randolfe recebeu dinheiro em 1999 e 2000, quando era deputado estadual, para votar a favor da aprovação das contas do então governador Capiberibe. O denunciante teria até recibos desse pagamento, mas são falsos, segundo os dois parlamentares.

Em seu site, Randolfe afirma que o principal responsável pela denúncia é o ex-presidente da Assembleia Legislativa, Fran Soares Júnior. De acordo com o senador, Fran foi indiciado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas, o que retiraria dele o crédito para fazer acusações aos dois senadores. Além disso, já teria até confessado, por escrito, a prática de falsificação de documentos contra um outro adversário político.

– O esquema em que ele estava envolvido levou à Operação Mãos Limpas, que levou várias pessoas às celas da Polícia Federal – disse Randolfe.

Em carta encaminhada aos demais senadores acusa Fran de ter retido salários de seus opositores na assembléia. E aponta a colaboração na denúncia de Moisés Souza, outro ex- presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Amapá, afastado da presidência por corrupção, segundo Randolfe, e processado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, peculato, falsidade ideológica, fraude em licitações, corrupção passiva e falsidade documental, dentre outros delitos. Ele teria recebido irregularmente R$139.594,71 em diárias da assembléia. O senador também citou a participação de Edinho Duarte, deputado estadual, que responde na justiça pelos mesmos crimes de Moisés Souza e teria recebido irregularmente R$ 213.149,97 em diárias.

Lama

Segundo Capiberibe, o dossiê é “uma armação perpetrada por políticos adversários, que tentam retomar o poder no Amapá a qualquer custo”.

– Ao colocar todos na lama emporcalhada em que vive, o crime organizado do Amapá busca um salvo conduto – assinalou Randolfe.

Na carta, Randolfe explica que as denúncias já haviam sido feitas no âmbito estadual e que, apesar da pouca repercussão, o próprio senador ingressou com pedido de abertura de inquérito junto à Polícia Federal no Amapá, de modo que fosse apurada a falsidade dos documentos apresentados como sendo "recibos", bem como a ocorrência dos crimes de calúnia, injúria e difamação.

Além disso, o senador afirma ter pedido que a Procuradoria Geral da República (PGR) investigasse a denúncia, mesmo tendo a certeza de que o Ministério Público jamais encontraria qualquer traço de verdade no dossiê. Randolfe se mostrou surpreso com o encaminhamento da denúncia à mesma procuradoria pelo presidente do Senado, Renan Calheiros. Ainda assim, assinalou que esse tipo de procedimento deveria "se tornar um padrão na Casa". Os senadores Ana Amélia (PP-RS), Pedro Taques (PDT-MT) e Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) acompanharam a avaliação.

– Esse é o caminho para que qualquer denúncia que chegue aqui seja encaminhada rapidamente às devidas autoridades – declarou Jarbas Vasconcelos.

Ao apoiar os dois parlamentares acusados, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) ressaltou “a luta de Capiberibe como governador para quebrar um grupo poderoso envolvido com o crime organizado”.

Jorge Viana (PT-AC) declarou que o autor do dossiê é "um político de quinta categoria, comprovadamente corrupto”, enquanto Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) frisou que, infelizmente, “é isso o que acontece com aqueles que combatem o crime organizado”.

Randolfe e Capiberibe receberam igualmente o apoio das senadoras Ângela Portela (PT-RR) e Lídice da Mata (PSB-BA) e dos senadores Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) e Paulo Davim (PV-RN).

Renan

"Não compete ao presidente do Senado emitir juízo de valor ou entrar no mérito do assunto, tampouco encaminhar a questão ao Conselho de Ética, expondo desnecessariamente os senadores", afirmou, em nota à imprensa, o senador Renan Calheiros para esclarecer porque enviou o dossiê à Procuradoria Geral da República. Conforme o presidente do Senado, sendo a matéria "de competência do Ministério Público Federal", a documentação foi enviada à PGR, "para, se for o caso, adotar as medidas que [aquele órgão] entender pertinentes". Renan expressou na nota que nutre "sincero respeito e apreço" pelos dois senadores.
_

Capiberibe e Randolfe: acusações partem de "representantes do crime organizado no Amapá" Capiberibe e Randolfe: acusações partem de "representantes do crime organizado no Amapá" Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, março 19, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD