Header AD

Na mira do CNJ

CNJ abre processo contra desembargadores

POR FREDERICO VASCONCELOS PARA FOLHA DE S. PAULO

Será apurada incompatibilidade entre rendimento e patrimônio de dois juízes de MS

O Conselho Nacional de Justiça abriu procedimentos administrativos disciplinares contra os desembargadores Claudionor Miguel Abss Duarte e Divoncir Schreiner Maran, do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul, por incompatibilidade entre seus rendimentos e os patrimônios constituídos.

A abertura de processo contra Duarte e Schreiner foi decidida na análise de sindicâncias relatadas pela ministra Eliana Calmon, então corregedora nacional de Justiça. Os dois casos estão atualmente sob a relatoria do atual corregedor, ministro Francisco Falcão (*).

Reportagem publicada na Folha em maio de 2012 revelou que o CNJ estava investigando bens de cinco desembargadores do TJ de Mato Grosso do Sul sob suspeita de possuir patrimônio incompatível com a renda.

Portaria da ex-corregedora Eliana Calmon determinara ação fiscal para apurar eventuais “gastos ou investimentos incompatíveis com os rendimentos declarados”.
Foram pedidas informações à Receita Federal, Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Detran, cartórios de imóveis, Banco Central e Polícia Federal.

Na sessão desta terça-feira (19/2), a maioria do plenário seguiu o voto de Eliana Calmon, favorável à instalação do processo disciplinar contra Claudionor Duarte. Votaram contra apenas os conselheiros Vasi Werner e Emmanoel Campelo.

A Corregedoria Nacional de Justiça concluiu que o desembargador não conseguiu explicar de forma satisfatória a origem de seu patrimônio. Em 2010, por exemplo, ele teve rendimentos de R$ 395 mil e movimentou R$ 8,957 milhões. Ao ser ouvido, o magistrado informou que a alta movimentação financeira se deve a investimentos em gado.

Com relação a Maran, a sindicância concluiu que o magistrado faltou com a verdade para justificar a incompatibilidade entre seus rendimentos e o patrimônio constituído.

Em 2007, por exemplo, Maran teve rendimentos de R$ 340 mil e movimentou R$ 1,4 milhão. De acordo com a investigação, o magistrado atribuiu a alta movimentação financeira a uma aplicação de poupança que não existe. Ele também é suspeito de ter simulado operações de compra e venda de lotes. Apenas o conselheiro Silvio Rocha votou contra a abertura do procedimento disciplinar.
(*) Sindicâncias 0002351-87.2011.2.00.0000 e 0002348-35.2011.2.00.0000
_
Na mira do CNJ Na mira do CNJ Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, fevereiro 19, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD