Por que os mais ricos da região norte estão no Amapá?

Por Nezimar Borges(*)

Na última semana um fato inusitado colocou o Amapá em discussão nas redes sociais: (pasmem!) é o estado da região norte onde há mais milionários. A notícia veio a público através da revista Exame a qual publicou a reportagem “O mapa dos milionários no Brasil” que contabiliza os ricos brasileiros. E como era de se esperar, muitos ficaram estupefatos diante da revelação.

A reportagem apresenta o ranking dos milionários que têm mais de 50 milhões de reais, totalizando 476 milionários só no Amapá, segundo os cálculos este humilde estado põe no bolso os vizinhos Roraima com 28; Acre, 35; Amazonas, 399 e Pará com 182 milionários. A surpresa se justifica ao observar que aqui não há grandes empresas industriais no ramo da tecelagem, ou de grandes empreendimentos no agronegócio, ou ainda de grandes companhias siderúrgicas, então o que justificaria tanta riqueza?

Um dos motivos para esses dados estratosféricos se baseia no fato de que no Estado do Amapá as alíquotas de impostos empresariais são mais atrativos para empresas de fora. No entanto há outros motivos que contribuem consideravelmente para a compreensão desses dados. Um deles é a riqueza escoada pelo ralo da corrupção que, segundo a PF, foi de mais de um bilhão de reais nos oito anos em que o Amapá foi administrado pelos comandados de Sarney. Dentre outras, está em fatos apurados pela mesma Polícia Federal: as fortunas dos minérios contrabandeados. Mais precisamente de ouro, pedras preciosas e a “mina” dos olhos que é o contrabando de materiais radioativos como o urânio, por exemplo.

Só para se ter noção em relação à corrupção, em 2006, quando estourou em vários estados da federação a operação da PF denominada “Operação Navalha” o governo de Waldez Góes estava na iminência de repassar 140 milhões de reais à empreiteira Gautama, inclusive já com contrato oficializado em Diário Oficial, todavia com o escândalo nacional, rapidamente a transferência foi abortada. Não foi possível, porém, abortar os desvios das verbas do aeroporto internacional de Macapá, porque já haviam surrupiados os recursos da obra. Aquela operação prendeu o financiador e amigo da famíglia Sarney, Zuleido Veras, dono da Gautama, e isto só foi possível por causa da disputa pelo poder no senado entre o PMDB e o PT.

Pode-se contestar esses argumentos quando se verifica que os dados da revista Exame foram ratificados pela Receita Federal e, portanto, coerentes com legalidades em relação à fonte dessas fortunas. Não obstante, esses volumosos dividendos podem ser facilmente “lavados”. A exemplo da “lavanderia” bastante utilizada na privatização das empresas estatais na era FHC, as chamadas “offshores” (empresas de paraísos fiscais), onde a dinheirama da propina da “venda” das estatais saíam do país via operações ilegais do extinto Banestado e retornavam “limpos” como recursos de investimentos de empresas estrangeiras no país.

No best-seller A PRIVATARIA TUCANA o jornalista Amaury Jr. define bem uma offshore, segundo ele “a principal característica de uma offshore é a portabilidade de títulos de propriedade (o cotista aparece apenas como portador das cautelas da empresa), o que mantém os verdadeiros donos em uma zona de sombra”.

Assim também pode ter ocorrido com mais de um bilhão de reais desviados dos cofres do Estado e com a fortuna do contrabando dos minérios dos ricos subsolos amapaenses, os quais são valiosos no mercado internacional, a exemplo do ouro e do urânio cobiçados por nações ricas em petróleo que querem desenvolver energia nuclear.

Não há como negar, este de fato é um lugar próspero, contudo não se pode dizer que é o estado mais desenvolvido da região. E não é. Pois embora seja uma terra de gente trabalhadora e onde o comérciorepresenta uma das principais atividades econômicas, ainda assim persiste uma “pulga atrás da orelha” diante das interrogativas possibilidades que justifiquem tamanha riqueza e que mais uma vez põeo Amapá como destaque no cenário nacional.

.........................................
(*)Acadêmico de jornalismo e Professor de Física
Contacto:(96) 9147-0520 - 8135-3197
Twitter: twitter.com/@nezimarborges
Blog: nezimarborges.blogspot.com
.........................................
Por que os mais ricos da região norte estão no Amapá? Por que os mais ricos da região norte estão no Amapá? Reviewed by DMM on quinta-feira, janeiro 12, 2012 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD